Blog

Dicas para evitar prejuízos com a Black Friday

A Black Friday, como é conhecida a sexta-feira posterior ao Dia de Ação de Graças nos Estados Unidos, é uma data de “grandes ofertas”. Inicialmente restrita às fronteiras norteamericanas, espalhou-se por outros países, inclusive no Brasil.

 

Como um país sem muita tradição nessa data de promoções, os consumidores brasileiros sofreram vários prejuízos em anos anteriores. Alguns desses prejuízos podem ser atribuídos a empresários mal-intencionados, outros à logística deficiente do país, que não foi preparada para lidar com um elevado volume de compras concentrado nessa data e outros, à própria falta de preparo dos consumidores.

 

Nesta cartilha, apresentamos 25 dicas para que você não seja mais um consumidor a sofrer com uma Black Friday desastrosa.

 

1 – Defina antes o que você realmente precisa comprar na Black Friday

 

Faça uma “lista de desejos” para evitar compras por impulso. Comprar produtos apenas para aproveitar “ofertas maravilhosas” é um dos grandes fatores que fazem com que nossos orçamentos saiam do controle. Por isso, é preciso que estejamos atentos para o que em realidade estamos precisando para nós ou nossa casa e só assim partirmos para as compras, sejam em lojas físicas ou em lojas virtuais. Seu bolso e sua tranquilidade lhe agradecerão.

 

2 – Prepare-se com antecedência

 

Com a sua lista de desejos em mãos, dias antes da data da Black Friday, faça uma pesquisa de preços nas principais lojas físicas e eletrônicas.

 

Anote tudo. O nome da loja, o nome completo do produto, preço, forma de pagamento, prazo para entrega, nome do vendedor (no caso das lojas físicas). No caso das lojas eletrônicas, faça um “print” das telas e salve em uma pasta no seu computador.

 

Isto servirá para você comparar os preços anteriores com os preços da Black Friday e conferir se não estará pagando o mesmo preço, ou até um preço superior àquele praticado fora do período de “ofertas especiais”.

 

3 – Esteja atento ao seu orçamento

 

Ainda que você esteja diante de uma oferta tentadora de verdade, leve sempre em consideração o seu orçamento.

 

Você se preparou para comprar uma TV na Black Friday, de um determinado tamanho, mas encontrou uma outra, maior, mais moderna e mais cara em oferta. Ficou tentado a aproveitar a promoção. Mas… Será que o preço desta outra televisão cabe no seu bolso? Faça as contas, para que um “excelente preço” não se transforme em uma enorme dor de cabeça.

 

4 – Prefira comprar em lojas e sites conhecidos

 

Evite comprar em lojas e sites que você não conhece. Por vezes, empresas de reputação desconhecida, resolvem aproveitar a época da Black Friday para se lançar no mercado, promovendo seus produtos a preços verdadeiramente tentadores.

 

No entanto, empresas desconhecidas também representam riscos desconhecidos quanto ao respeito delas para com os consumidores. Não sabemos se teremos problemas com a entrega dos produtos, nem tampouco como a empresa costuma se posicionar com relação às reclamações dos consumidores. Por isso, não queira ser uma “cobaia” da empresa.

 

5 – Informe-se sobre o vendedor

 

Mesmo que o vendedor seja uma empresa conhecida por você, procure se informar se ela tem ou teve muitas reclamações feitas por consumidores. Consulte as redes sociais, sites como o Reclameaqui.com.br, dos Procons, em busca de eventuais problemas relatados por empresas ou órgãos públicos envolvendo a empresa com a qual você pretende contratar.

 

Caso haja um número elevado de problemas não resolvidos, é melhor fugir da oferta e evitar problemas futuros.

 

6 – Pesquise os preços na Black Friday

 

Chegou o grande dia e você encontrou o produto que você quer, em promoção num site de confiança. Vamos comprar? Calma.

Agora é o momento de você pesquisar na internet outras ofertas do mesmo produto.

Use um comparador de preços online, como o Buscapé. Você diz o produto que está procurando, e ele procura para você os preços em diversos fornecedores. Caso você encontre alguma loja praticando um preço melhor do que o preço inicial que você tinha, aprofunde a pesquisa sobre a loja e, se for o caso, efetue a compra. Nunca se contente com o primeiro preço que encontrar.

 

7 – Fique atento para não comprar em sites falsos, imitando sites conhecidos

 

Aproveitando-se dos nomes de empresas com lojas virtuais famosas, da época de grande procura por ofertas, e das compras por impulso, criminosos preparam sites de vendas para enganar consumidores. Fazem lojas virtuais com aparência impecável, bem similares aos sites “oficiais” e oferecem produtos de qualidade, por preços imbatíveis. Os consumidores, sem atentarem para o verdadeiro nome da empresa, fazem suas compras ali. Porém, esses sites são verdadeiras armadilhas. Conseguem realizar grande quantidade de vendas, mas não entregam os produtos, deixando os consumidores em total prejuízo. Ao procurarem o site dias depois, o mesmo já não está no ar e descobrem que eles eram apenas similares aos sites de empresas idôneas. Portanto, esteja atento ao nome e ao endereço da empresa no site.

 

8 – Evite anúncios recebidos por correio eletrônico, Whatsapp, SMS ou redes sociais

 

Uma forma de não ser iludido por falsos sites, é não clicando em links de ofertas que chegarem através de e-mail, programas de comunicação instantânea como Whatsapp, Telegram, SMS ou nas redes sociais.

 

Falsos empresários promovem seus sites maliciosos através desses links, que ao serem clicados, levam o consumidor para lojas virtuais onde serão vítimas das enganações e sofrerão consideráveis prejuízos financeiros.

 

9 – Mantenha o sistema operacional de seu computador atualizado

 

Milhões de consumidores que usarão os computadores para comprar na Black Friday, e para evitar problemas, um dos cuidados que devem ter, é o de manter atualizado o sistema operacional do computador (em regra, Windows ou iOS – para os Mac). Essas atualizações, resguardam os computadores quanto a invasões de hackers criminosos que podem usar a Black Friday para capturar dados dos usuários da internet que, se estiverem usando máquinas com sistemas operacionais desatualizados, podem ficam mais vulneráveis a ataques.

 

10 – Atualize seu antivírus

 

Os programas antivírus, quando utilizados de maneira adequada, também protegem os computadores de invasões, roubos de informações, apagamento proposital de dados, sequestro da máquina, dentre outros males que podem ser causados por hackers do mal. Assim, é de fundamental importância que mantenhamos nossos computadores com programas antivírus sempre atualizados.

 

11 – Não use computadores públicos para fazer compras

 

Os computadores públicos (instalados em lan houses ou cyber cafés), são utilizados por todo tipo de gente, com as mais diversas intenções. Embora as boas empresas do ramo tomem cuidados, não é incomum que usuários dessas máquinas passem por problemas como roubo de senhas, informações bancárias ou cadastrais. Para evitar problemas desse tipo, não realize compras ou transações bancárias em computadores que não sejam particulares.

 

12 – Confira se a loja tem o produto no estoque

 

Às vezes, a oferta é tentadora, o produto é bom e a loja confiável. Mas você precisa do tal produto de imediato e a loja não o tem no estoque. Por isso, informe-se se o produto que você quer adquirir já está na loja ou se você terá que esperar vários dias para que ele chegue. Essa providência pode evitar alguns dissabores para você e sua família.

 

13 – Guarde as informações sobre a oferta e a compra

 

Em se tratando de compra em loja física ou virtual, é muito importante guardar todos os dados e informações sobre a oferta (produto, preço, prazo, forma de pagamento, data de entrega), para confrontá-los com novas informações dadas pela empresa, em caso de problemas.

 

Mantenha em local seguro os folhetos, panfletos, anotações, impressões de tela, recibos e demais documentos (físicos ou eletrônicos), para o caso de precisar levar o problema para os órgãos de defesa do consumidor ou para a justiça.

 

14 – Confira as informações sobre o vendedor no site da loja

 

Antes de fechar qualquer compra em lojas virtuais, é importante verificarmos se alguns dados constam no site da empresa.

 

Precisamos observar se há informações como a razão social da empresa (que seria como o nome oficial dela); o endereço físico (no qual ela receberia eventuais intimações da justiça); o número do CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica do Ministério da Fazenda, que funciona como o CPF das empresas e é exigido para que possamos entrar com um processo contra determinada empresa); números de telefone, endereço eletrônico, perfis em redes sociais.

 

De posse de tais dados, ficará mais fácil você aprofundar suas pesquisas sobre a idoneidade da empresa e, se for o caso, entrar na justiça ou nos órgãos de defesa do consumidor, contra ela.

 

15 – Confirme se o site é seguro para realizar transações comerciais

 

Os sites que estão protegidos contra captura de informações dadas pelos consumidores, aderiram ao certificado SSL. Tal certificado é representado pela letra S, ao lado do HTTP, logo no início do endereço eletrônico da loja mostrado nos navegadores de internet. Assim, ao invés de lermos HTTP, veremos HTTPS.

 

Outro demonstrativo de maior segurança do site para transações eletrônicas, é a presença de um cadeado, seja antes do endereço, no navegador, seja no canto inferior esquerdo da tela. Pode também existir a imagem de um selo de segurança na página. Mas cuidado. Não basta ter o cadeado ou o selo de segurança. É preciso que, ao clicarmos na imagem, ela apresente o número do certificado digital da empresa.

 

Seguindo esta dica, você poderá evitar que seus dados e informações sejam capturados por eventuais invasores do site da empresa

 

16 – Prazo de reflexão e direito de arrependimento

 

Nas compras feitas fora das lojas físicas (por internet, telefone, catálogo por exemplo), os consumidores têm o prazo de reflexão de sete dias para desistirem do negócio e exercerem o seu direito de arrependimento.

 

Nesses casos, os sete dias são contados da data da contratação, ou do recebimento do produto, ou ainda do fim da prestação do serviço.

 

Se o consumidor optar por exercer o seu direito de arrependimento, o fornecedor (a loja) não poderá cobrar nada dele (nem o frete) e terá que devolver imediatamente a quantia paga ou, se for o caso, fazer o estorno na fatura do cartão de crédito.

 

17 – A promoção está acabando?

 

Uma das formas de fazer com que o consumidor compre de forma mais rápida (e impulsiva), é apresentar para ele um relógio com a contagem regressiva do tempo que vai durar a oferta.

 

Temendo perder uma excelente oportunidade, o consumidor deixa de tomar os cuidados necessários para evitar cair em uma cilada e sofre o prejuízo ou compra por impulso algo que não está precisando ou que não pode pagar sem sacrifícios.

 

Portanto, ao ver alguma contagem regressiva de oferta, mantenha a calma e siga os passos necessários para uma compra segura.

 

18 – Verifique custos extras como o preço do frete

 

É frequente encontrarmos o mesmo produto por preços diferentes. Na ânsia de aproveitarmos a oferta, descuidamos e não procuramos informações sobre custos adicionais como o do frete ou o da instalação.

 

Para evitarmos dissabores, é importante verificarmos antes de finalizar a compra, quanto custa o frete e se há outros itens a serem pagos e então, compará-los com o preço das outras ofertas que aparentemente eram menos favoráveis.

 

19 – Qual a data da entrega?

 

É importante o consumidor verificar qual a data efetiva da entrega do produto, tanto no caso de compra em loja física, quanto pela internet.

 

Se você quer o produto até uma data específica, observe atentamente o prazo de entrega, bem como pesquise se a empresa possui histórico de atrasos nas entregas de produtos aos consumidores.

 

Caso possível, pegue com a empresa algum documento no qual ela faça constar o prazo em que entregará o produto, de modo a que você consumidor fique municiado com a prova do prazo estabelecido, de forma clara e irrefutável.

 

20 – Erros grosseiros nos sites

 

No caso de lojas eletrônicas criadas apenas para ludibriar consumidores, é comum encontrarmos erros de grafia ou de concordância nas páginas e nas ofertas. Quer seja pela rapidez com a qual foram preparados, quer pela falta de conhecimento dos criminosos, esses erros grosseiros são um importante sinal de que estamos diante de uma fraude.

 

Caso você se depare com algo assim, redobre sua atenção, desconfie e procure o produto que deseja em outro local.

 

21 – Preste atenção às características do produto

 

Às vezes, um produto nos apresentado como uma oferta tentadora e manifestamos interesse em adquiri-lo. No entanto, ao pesquisarmos melhor as características dele, percebemos que ele não atende às nossas necessidades.

 

Outro dia eu vi a oferta de um drone fotográfico (pequena aeronave acionada por controle remoto que faz vídeos e tira fotografias). Achei o preço e o produto interessantes. Porém, ao pesquisar sobre as características do equipamento, vi que ele só tinha autonomia para 12 minutos, ou seja, a cada 12 minutos de voo, eu teria que trocar as pilhas ou baterias dele. Isto pareceu-me muito pouco tempo e o preço do produto não compensava ter que fazer isso de forma tão frequente.

 

22 – É para presente? Evite

 

Se você está pensando em comprar um produto na Black Friday para presentear alguém, evite fazê-lo, pois dificilmente a pessoa poderá fazer a troca caso o produto tenha sido comprado em uma loja física e não apresente defeito. É que as empresas que comercializam através de suas lojas físicas não estão obrigadas a trocar produtos pelo simples fato da pessoa que o adquiriu ou ganhou, não gostou da cor, do modelo ou do tamanho. A troca só pode ser exigida se algum empregado da empresa se comprometeu (de preferência por escrito) a fazer a troca, ou se a compra foi feita pela internet ou por outra forma fora do estabelecimento comercial.

 

23 – Cuidado com produtos de marcas desconhecidas

 

Não é apenas com lojas desconhecidas que precisamos nos preocupar, mas também com marcas desconhecidas.

 

Caso você se depare com um produto que deseja comprar, mas nunca ouviu falar da marca dele, fique atendo. Faça uma busca na internet por eventuais reclamações ou problemas narrados por consumidores ou na imprensa. Se existirem problemas em número considerável, você não vai querer aumentar essa quantidade, não é verdade?

 

24 – Cadastre-se nas lojas on line com antecedência

 

Se você pretende realmente comprar na Black Friday e aproveitar as melhores ofertas, faça seu cadastro nos sites mais conhecidos, com antecedência. Isso possibilitará que você não gaste um tempo precioso com a “burocracia” e não perca a oferta daquele item único, a um preço bem barato que você viu no site.

 

25 – “Deus ajuda a quem madruga”

 

Muitas ofertas na Black Friday têm uma quantidade limitada de produtos e quem chegar primeiro, leva. Para que você não perca as boas oportunidades que certamente surgirão, é preciso que você vá às compras logo no começo do dia (ou na madrugada), pois terá acesso aos melhores produtos, pelos melhores preços.

 

Espero que com estas 25 dicas você possa usufruir das vantagens da Black Friday sem ter problemas depois.

Boa sorte e boas compras.

 

Texto do Promotor de Justiça José Augusto Peres Filho

 

Sobre o autor O autor é Promotor de Justiça, e atua há quase três décadas na defesa do consumidor. É mestre em Direito, professor de Direito do Consumidor, diretor do BRASILCON – Instituto Brasileiro de Política e Direito do Consumidor e da MPCON – Associação Nacional do Ministério Público do Consumidor. É ex-Procurador-Geral de Justiça do Ministério Público do Rio Grande do Norte; ex-Presidente do Grupo Nacional de Combate às Organizações Criminosas Promotor de Justiça Francisco José Lins do Rêgo Santos e atualmente trabalha como Membro Auxiliar na Corregedoria Nacional no Conselho Nacional do Ministério Público.


+ Conteúdo